• Álvaro Dezidério

NASDAQ: Previsões Difíceis

Fazer previsões é extremante difícil, sobretudo se elas forem sobre o futuro, disse Niels Bohr, o prêmio Nobel de Física em 1922.


Na última semana o Índice NASDAQ atingiu a cotação recorde em sua história. Ele assinala seguidas valorizações nos últimos meses. Os demais índices da bolsa americana vão bem, mas não tão bem quanto o NASDAQ.


Este índice representa a variação média das 100 maiores empresas não financeiras da bolsa eletrônica norte americana. A sigla NASDAQ - National Association of Securities Dealers Automated Quotations significa exatamente isso.


É comum você ouvir falar que ele representa as empresas de tecnologia, mas existem muito mais empresas na bolsa eletrônica. Talvez as pessoas falem isso pelo mesmo motivo que os estrangeiros falam que o Ibovespa é um índice de commodities por causa de Petrobrás e Vale. Simplificações fazem parte. Só não se deixe enganar por elas.


Voltando ao NASDAQ, o índice acumulou na última semana a maior alta da sua história. O gráfico é incrível e nos convida à algumas reflexões.



Após a crise de março de 2020, o NASDAQ renovou a sua trajetória semelhante ao foguete do Jeff Bezos. Até a inclinação do gráfico mudou. Para o alto e avante.


Porém a avaliação de um período um pouco mais longo revela que esta mudança de inclinação teve início em 2009.


Ok. Mas o que aconteceu em 2009?


Após a crise do sub-prime em 2008, o Banco Central americano entendeu que a solução para a crise econômica seria injetar liquidez nos mercados. Na linguagem popular: colocar a máquina de imprimir dinheiro para funcionar. E não foi pouca coisa. Mas isso é tema para outro artigo.


A liquidez em excesso reduz o custo do crédito e faz com que as empresas tomem mais capital emprestado para investimentos. Se o modelo de negócios for aceito pelo mercado estas empresas crescerão muito. Com lucros elas atraem sócios, abrindo capital e obtendo novas fontes de financiamento (mais capital de sócios). É um círculo virtuoso de capital e crescimento.


Os críticos deste modelo afirmam que fatalmente ele levará para uma nova crise. Bom, não aconteceu uma coisa e nem outra nos últimos 12 anos.


E como funcionou bem, após a crise gerada pela COVID, mesmo ela sendo de natureza totalmente diferente da crise de 2008, o Banco Central Americano entendeu que o remédio da liquidez deveria ser intensificado, afinal salvou o mundo em 2009, por que não salvaria agora?

E aqui vem o imprevisível.


As empresas de tecnologia e mídia ganharam muito valor neste período. Quem imaginaria que a obrigatoriedade de ficar em casa (restrições à circulação) resultaria na multiplicação de valor de empresas como AMAZON, Facebook, Netflix, e Apple? O crescimento de valor destas ações elevou sua participação no NASDAQ, influenciando a velocidade da valorização do índice da bolsa eletrônica.


Mas se alguém lhe dissesse em abril de 2020 que era para investir nestas empresas você perguntaria se o seu consultor de investimentos ficou maluco. Nós não sabíamos se o mundo estaria aqui até o final de 2020, ou se veríamos ao vivo a próxima temporada do The Walking Dead, a série sobre o apocalipse zumbi causado por um vírus.


Olhando em retrospectiva parece óbvio. No auge da crise não era. Prever um movimento destes após ele acontecer é como um relógio de parede quebrado que da hora certa duas vezes por dia. Uma engenharia de obra pronta.


Voltando para as previsões:


Um número considerável de analistas diz que esta festa vai acabar mal. Talvez sim, talvez não. Como falei anteriormente eu ouço desde 2008 que este negócio de injetar liquidez iria fazer a inflação explodir nos EUA e no mundo. Bom, faz 12 anos que todo ano é o último e até agora já vimos até juros nominais negativos em títulos soberanos, algo impensável nos manuais de política monetária.


É evidente que alguma crise acontecerá. Isso faz parte dos ciclos econômicos. Mas eu não sei quando e desconfio que nenhum destes arautos do caos sabe. Até onde eu sei nenhum deles montou uma posição vendida ou exclusivamente desenhada para ganhar dinheiro com a próxima crise. Uma coisa é ter opinião. Outra é apostar dinheiro nos eventos que você prevê.


Não fique tentando adivinhar o futuro. É possível estabelecer tendências para as variáveis, mas fazer previsões de eventos é muito difícil. Proteja-se de cenários adversos, entenda seus objetivos, e construa sua carteira com ativos que estejam alinhados a ele, tendo alguma flexibilidade para mudar a rota caso o mercado esteja indo em uma direção diferente que você planejou.


Não tente adivinhar o futuro. Ele é imprevisível. Niels ja sabia disso em 1922.




1 abraço de quebrar costelas



22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo